CAMPEONATO PARANAENSE FEMININO ADULTO
CHAVE OURO - 2008



CAPÍTULO I – DOS PARTICIPANTES

Art. 1º. Participarão do Campeonato Paranaense Feminino Adulto – Chave OURO 2008, as equipes devidamente inscritas na FPFS para o ano corrente, de acordo com a legislação esportiva vigente e em dia com suas obrigações perante a Entidade.
§ 1º. – Em caso de desistência de uma das equipes selecionadas e/ou inscritas para disputarem esse Campeonato, antes do início do mesmo, a FPFS convidará outras equipes interessadas;
§ 2º. – O Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chave Ouro, a partir do ano de 2009, terá sempre a participação de doze (12) equipes.
Art. 2º. As despesas de locomoção das equipes, bem como, refeições e hospedagens, serão de inteira responsabilidade dos mesmos.
Art. 3º. Para o Campeonato Paranaense Feminino Adulto da Chave Ouro até ano de 2009 todas as equipes serão obrigadas a mandar os jogos em ginásios que possuam, obrigatoriamente, a quadra de Futsal com as medidas mínimas de 18m x 36m.
Art. 4º. As alterações nas dimensões da quadra de jogo somente poderão ser realizadas quando houver aprovação por unanimidade de votos das Equipes participantes, por ocasião da realização dos Arbitrais anuais.
Art. 5º. O prazo final e improrrogável para inscrição de equipes será no dia 31 de março de 2008, e o início do Campeonato será no dia 24 do mês de maio do ano de 2008. A equipe que tiver problemas com relação a datas deverá comunicar por escrito à Entidade até o dia 28 de março de 2008.
Art. 6º. O campeonato terá 3 (três) intervalos na sua execução, ou seja, nas Finais dos Jogos da Juventude do Paraná, nas Eliminatórias e Finais dos Jogos Abertos do Paraná e em Campeonatos Nacionais Femininos que tenha equipes que participam deste Campeonato.

CAPÍTULO II – DAS ATLETAS

Art. 7º. Somente poderão participar deste Campeonato as atletas devidamente inscritas e em pleno gozo das prerrogativas que lhes conferem as leis desportivas vigentes, e liberadas para a prática específica do Futsal, por médico devidamente habilitado.
§ 1º. Serão protocoladas na FPFS apenas as solicitações de transferências que estejam com todos os documentos completos, em originais, incluindo as respectivas certidões negativas e aptidão de saúde, e só poderão ser realizadas até a última rodada do 1.º Turno da Fase Classificatória
§ 2º. A condição de jogo das respectivas atletas transferidas está condicionada a ofício da CBFS até 24 (vinte e quatro) horas da partida envolvendo seu Clube, ou último dia útil de expediente na FPFS;
§ 3º. As fichas de renovações das Atletas deverão vir acompanhadas por Certidão de Aptidão, expedidas por autoridade médica;
§ 4º. Novas inscrições e renovações serão aceitas apenas até 48 (quarenta e oito) horas do início das partidas envolvendo as jogadoras solicitantes, e serão aceitas apenas se completas e com os documentos originais;
Art. 8º. Será obrigatória a identificação das atletas nos jogos de sua Equipe ao Anotador de serviço na mesa, mediante a apresentação da Carteira de Atleta emitida pela FPFS ou de documento de Identidade emitida por órgão oficial competente, e da Lista dos componentes da equipe estabelecida no Art. 14. deste Regulamento.
§ 1º. A não apresentação da carteira da FPFS prevista neste artigo implicará em multa administrativa à Equipe no valor de R$ 10,00 (dez reais) por carteira;
§ 2º. No banco destinado às atletas reservas, somente poderão permanecer, devidamente sentadas, um máximo de 7 (sete) atletas substitutas, devidamente uniformizadas, identificadas e em plenas condições de participar da partida.
§ 3º. As atletas inscritas pelas equipes deverão utilizar a mesma numeração da camisa do início ao fim do Campeonato;
§ 4º. De acordo com o Art. 19 da Resolução n.º 032 de 11 de novembro de 2000, do Conselho Federal de Educação Física, que diz: “Nas entidades privadas e nos órgãos de administrações públicas, diretas ou indiretas e fundacionais, nas pessoas jurídicas públicas e sociedades de economia mista, os empregos e cargos envolvendo atividades que constituem prerrogativas dos profissionais de Educação Física, somente poderão ser promovidos e exercidos por profissionais em situação regular perante o CREF de sua Região”, passa a ser obrigatório aos Técnicos e Preparadores Físicos o devido registro no CREF (Conselho Regional de Educação Física), sem o qual não poderão permanecer no banco destinado às atletas reservas.

CAPÍTULO III – DOS LOCAIS DE JOGOS

Art. 9º. Os jogos deste Campeonato somente serão realizados em Ginásios cobertos, os quais após vistoria por parte de Representantes da FPFS, deverão apresentar, obrigatoriamente, as seguintes condições:
§ 1º. Capacidade mínima de 500 (quinhentas) pessoas na 1ª Fase e 1.000 (mil) pessoas ou mais para as fases seguintes, comodamente sentadas, bem como, dispor, obrigatoriamente, de arquibancadas para o público assistente;
§ 2º. Possuir um placar eletrônico na quadra de jogo, em local de perfeita visibilidade;
§ 3º. Presença de redes de proteção nas linhas laterais e linhas de fundo, para a proteção do público assistente e atletas;
§ 4º. Isolamento de toda a área localizada atrás da linha lateral da quadra de jogo onde se situam os bancos de reservas, mesa do Anotador e Cronometrista e locais de aquecimento dos atletas reservas, em uma distância mínima de 1,5m (um metro e meio), com a eliminação do primeiro degrau de arquibancada se for o caso, conforme o Ginásio.
§ 5º. O uso de Banners móveis fornecidos pela Entidade, com logotipos da DalPonte e FPFS, ao lado dos bancos de reservas, para que os atletas substitutos se aqueçam atrás das mesmas;
§ 6º. Possuir no mínimo duas (2) Cabines para Rádio e uma (1) para TV, em perfeitas condições de uso;
§ 7º. As equipes visitantes terão, obrigatoriamente cedidos pela equipe mandante, dois (2) espaços para colocação de Banners (Faixas) de seus patrocinadores no tamanho padrão de 3m x 1m, no Ginásio de Esportes onde será realizada a partida;
§ 8º. Possuírem sanitários para o público masculino e feminino, distintamente, em locais de fácil acesso, e em perfeitas condições de higiene e uso;
§ 9º. Uma vaga privativa, defronte à entrada do Ginásio, para o estacionamento exclusivo da Ambulância;
§ 10º. O Clube mandante deverá apresentar a Quadra de Jogo e todos seus equipamentos, dentro das especificações previstas na Regra Oficial do Futsal para o ano de 2008;
§ 11º. Os bancos de reservas deverão ter capacidade para comportar, cada um, 11 (onze) pessoas sentadas;
§ 12º. Os Ginásios deverão possuir vestiários adequados com chaves, bancos e um mínimo de 3 chuveiros elétricos com energia ou aquecimento central funcionando para as Equipes visitantes, e um vestiário adequado, com chaves, banco, mesa e cadeira e com 1 (um) chuveiro e sanitário nas mesmas condições para a Equipe de Oficiais de Arbitragem;
Art. 10º. Os Clubes e/ou Equipes que não disporem seus ginásios de esporte, em dias de jogos, de acordo com as condições estabelecidas nesse Regulamento, sujeitar-se-ão a multas administrativas além das previstas no CBJD, e a determinação da FPFS para uso de outro ginásio que apresente as condições necessárias.
§ 1º. Ficam proibidas a permanência de pessoas não credenciadas na quadra e nos locais de acesso da mesma;
§ 2º. Fica vedado às Equipes, atletas, dirigentes e torcedores, portar no ginásio qualquer tipo de instrumento de sopro e/ou percussão, bem como qualquer tipo de buzinas, sinalizadores luminosos e/ou objetos que produzam fumaça;
§ 3º. A venda de bebidas dentro dos ginásios somente será permitida quando acondicionadas em sacos ou copos plásticos, sendo terminantemente proibido adentrar ao ginásio qualquer pessoa portando garrafas, garrafões ou latas de bebidas.
§ 4º. As caixas térmicas com recipientes de líquidos gelados para uso dos atletas, deverão permanecer ao lado da Mesa do Anotador e Cronometrista, submetendo-se ainda a controle de quantidade, pelos Oficiais de arbitragem;
Art. 11. Qualquer Diretor de Clube, mesmo que não seja da área de Futsal, sendo identificado pelas autoridades da FPFS presentes nos locais de jogos, no tocante ao comportamento irregular ou disciplinar, poderá prejudicar seu Clube e/ou Equipe já que a Presidência dos mesmos é que responde por esta indisciplina.
§ 1º. O Clube ou sua torcida que gerar ou for causador de interrupção ou suspensão da partida, terá administrativamente decretada a perda de 1 (um) a 2 (dois) mandos de jogo, ou ainda, a eliminação do Campeonato se o caso for de natureza grave, sem prejuízo das cominações previstas do CBJD;
§ 2º. A falta de disciplina e de ordem no ginásio durante uma partida, invasões de quadra, mesmo em caso de tumultos entre atletas e pessoal técnico, não serão toleradas sob hipótese alguma, cabendo a FPFS a aplicação de sanções administrativas necessárias contra os responsáveis, sem prejuízo das sanções previstas no CBJD;
§ 3º. Se o causador do tumulto ou interrupção for identificado e detido pela autoridade policial presente, com o respectivo Boletim de Ocorrência comprovando a obediência do clube ao regulamento, a FPFS poderá no âmbito administrativo após analise de sua diretoria isentar o Clube mandante ou mandado das penas administrativas ou pecuniárias, sem prejuízo de ser o caso apreciado pelo Tribunal de Justiça e suas Comissões.
Art. 12. A permanência dentro da quadra de jogo e/ou vestiários de pessoas alheias à partida, durante seu transcorrer, fica limitada aos jornalistas, os quais deverão, obrigatoriamente, estar usando a Credencial de Imprensa que a FPFS irá fornecer de forma gratuita, desde que o interessado prove ser jornalista, preencha o questionário disponível no site da FPFS e encaminhe os documentos ali solicitados. Sem esta Credencial, não será permitida sua permanência no recinto de jogo de forma alguma;
Parágrafo único. As pessoas credenciadas da Imprensa somente poderão permanecer ao longo das linhas laterais da quadra, em locais estabelecidos pelo Representante da Entidade presente e na sua ausência, pelo Arbitro Principal da partida.

CAPÍTULO IV – DOS EQUIPAMENTOS

Art. 13. A equipe mandante do jogo deverá apresentar 2 (duas) bolas identificadas como oficiais para a categoria adulto, da marca Dal Ponte em perfeitas condições de uso, ao Arbitro Principal da partida, antes do início da mesma.
Art. 14. O uniforme das atletas disputantes deverá estar de conformidade com as Regras Oficiais da CBFS.
§ 1º. O Clube mandante jogará com o uniforme de sua preferência, cabendo à Equipe visitante levar 2 (dois) jogos de uniformes diferentes e completos (camisa, calção, meia e coletes);
§ 2º Será obrigatório para a Comissão Técnica das equipes estarem devidamente uniformizadas e com cores diferentes das atletas de sua equipe;
§ 3º. Será obrigatório o uso de coletes de cor diferente das camisas de ambas as Equipes, por parte das atletas reservas;
§ 4º. Os membros da Comissão Técnica poderão permanecer no banco de reservas usando bermuda, short ou agasalho desde que seja uniforme do Clube. Não será permitido uso de camisa sem mangas, sandálias ou chinelos, como também o uso de qualquer tipo de aparelho de comunicação (rádio, telefone, etc...).
Art. 15. Os Clubes e/ou Equipes serão obrigados a entregar ao Anotador, no mínimo 20 minutos antes do início da partida, além de todas as credenciais, uma Listagem Padrão da FPFS que contenha o numero de registro da FPFS, nome completo, apelidos e número da camisa de todas as atletas, sinalizando aqueles que iniciarão a partida e quem é o capitão da equipe.

CAPÍTULO V – DAS TAXAS E ENCARGOS

Art. 16. O pagamento da Taxa de Arbitragem dividida entre as 2 equipes disputantes da partida terá o valor de R$ 200,00 (duzentos reais) para cada equipe durante todo o transcorrer do Campeonato.
Art. 17. As transferências ou adiamentos de jogos solicitados pelas equipes mandantes, somente serão aprovados pela FPFS, com uma antecedência mínima de 96 (noventa e seis) horas do horário marcado para a realização do jogo, desde que não incorra em prejuízo a terceiros, tendo ainda que recolher uma taxa administrativa de R$ 200,00 (duzentos reais).
Parágrafo Único - A FPFS não autorizará inversão de mando de jogos, mesmo que em comum acordo.
Art. 18. A equipe mandante será responsável pelo transporte (passagem de ônibus convencional ida e volta) e alimentação de R$ 15,00 (quinze reais por pessoa e por refeição) dos Oficias de Arbitragem escalados quando de outra cidade, e mais a hospedagem em Hotel de Categoria 02 (duas estrelas) ou R$ 40,00 (quarenta reais) de diária para cada membro da Equipe de Arbitragem, sempre que a distância de locomoção for igual ou superior a 150 Km (cento e cinqüenta quilômetros) da sede do jogo.
Parágrafo único - A locomoção dos Oficiais de Arbitragem, quando de outra cidade, poderá ser feito por meio de transporte próprio (carro particular), ficando a equipe mandante responsável pelo ressarcimento em dinheiro, correspondente ao valor da passagem de ônibus convencional, além de despesas com o Pedágio quando houver.

CAPÍTULO VI – DAS APENAÇÕES E PERDA DE PONTOS

Art. 19. A aplicação de cartões punitivos, estabelecidos na Regra Oficial de Futsal da CBFS, nas cores: Amarela (advertência), e Vermelha (expulsão) constitui medidas preventivas de inequívoca eficácia no campo desportivo, tendo como objetivo maior refrear e conter a violência individual e coletiva das atletas na quadra de jogo.
Art. 20. A equipe que utilizar atleta ou membro da Comissão Técnica de forma irregular ou em cumprimento de suspensão automática, em qualquer partida válida pelo Campeonato, sujeitar-se-á administrativamente, sem prejuízo das sanções previstas no CBJD, às seguintes penalidades:
a) Perda automática de seis pontos, independente do resultado;
b) Para efeito disciplinar e de estatística, serão computados para todos os eventos ocorridos na partida;
c) O número de pontos eventualmente ganho nessa partida serão computados para todos os efeitos;
d) Caso trate-se de partida das Fases Semifinal ou Final, a equipe poderá ser desclassificada do certame;
Parágrafo único – A irregularidade da atleta ficará configurada na hipótese:
1) Da inexistência de inscrição ou revalidação anual na F.P.F.S. e C.B.F.S., ou ainda a falta de inscrição para a disputa da competição;
2) De jogar pela equipe embora ainda esteja cumprindo estágio de transferência;
3) De atuar, quando sujeita ao cumprimento de suspensão automática, por força de cartão amarelo ou vermelho;
4) De participar da partida quando sujeita ao cumprimento de penalidade administrativa prevista no Regulamento da competição ou aplicada pela Justiça Desportiva.
5) Praticar outras irregularidades tipificadas como infração às Regras Oficiais de Futsal ou a este Regulamento.
Art. 21. A inclusão de Técnico, Atendente, Médico, Fisioterapeuta ou Preparador Físico, suspenso por apenação de expulsão ou sujeito ao cumprimento de penalidade administrativa prevista no Regulamento do Campeonato ou aplicada peja Justiça Desportiva, implicará nas sanções previstas nas letras a, b, c e d do Art. 19 deste Regulamento.
Art. 22. - Haverá uma tolerância máxima de 15 (quinze) minutos somente para o início do jogo, com multa administrativa por minuto de atraso.
Parágrafo único – A equipe que não comparecer ou não se apresentar na quadra em condições de iniciar a partida dentro do horário estabelecido, perderá administrativamente os pontos para o adversário (W X O), arcará com o ressarcimento das despesas da Equipe Mandante e/ou Visitante da partida, além das sanções aplicadas pelo TJD da FPFS.
Art. 23. – A equipe que der causa a interrupção da partida ficará sujeito a sanções impostas pelo TJD da FPFS.
Parágrafo Único - Se o Clube infrator estiver perdendo o jogo, o mesmo será considerado como encerrado, e o placar da partida no momento permanecerá para efeito de saldo de gols.
Art. 24. A Equipe que se recusar a dar continuidade à partida por mais de 5 (cinco) minutos, depois de advertida pelo Árbitro Principal, AINDA QUE PERMANEÇA NA QUADRA, perderá os pontos em disputa, sendo considerada "vencida", além das sanções aplicadas pelo TJD da FPFS.
Art. 25. Irregularidade constatada posteriormente com referência a registros de atletas, importará administrativamente na perda de seis pontos sem prejuízo das penalidades que possa vir a sofrer junto ao TJD da FPFS.
Art. 26. A equipe que utilizar atleta irregular em qualquer partida válida por este Campeonato perderá administrativamente e automaticamente 06 (seis) pontos independentemente do resultado e ainda ficará sujeita a sanções aplicadas pelo TJD da FPFS.
Art. 27. O resultado de “W x O” valerá como placar de 1 (um) a 0 (zero), e o gol será creditado à capitã da equipe.

CAPÍTULO VII – DOS CLUBES MANDANTES

Art. 28. São de responsabilidade das Equipes mandantes:
a) Pagar as despesas de transportes, hospedagem e de alimentação dos Oficiais de Arbitragem e Representante quando este for designado, antes do início do jogo;
b) Apresentar, no mínimo, 1 (um) enxugador de quadra no local de jogo, antes do início da partida, e nunca com idade inferior a 15 (quinze) anos de idade;
c) Providenciar a liberação do ginásio (1) uma hora e meia antes do início da partida, e a quadra 50 (cinqüenta) minutos antes do início previsto da partida;
d) Providenciar, obrigatoriamente, policiamento preventivo da Policia Militar de pelo menos 4 (quatro) PMs postados dentro da quadra de jogo, ou Guardas Municipais devidamente uniformizados, trabalhando sob a orientação do comando do policiamento presente, atuando como força auxiliar;
e) Manter a presença desses agentes de segurança nos locais de jogos, até a saída definitiva dos Oficiais de Arbitragem e de todos os componentes da Equipe visitante;
f) A Arbitragem não estará autorizada a dar início a partida, se sentir necessária a presença de policiamento;
g) Providenciar, obrigatoriamente, uma Ambulância totalmente equipada, estacionada em local de fácil acesso, para pronto atendimento de atletas, dirigentes e torcedores, quando necessário;
h) Contatar o dirigente visitante, para saber da chegada da Equipe à sua cidade e horário, para dar-lhe informações;
j) Manter a disciplina impecável dentro e fora da quadra com seus atletas, profissionais contratadas, dirigentes e torcidas;
Art. 29. A equipe que for apenada com a perda de mando de jogo permitirá que a decisão para a marcação de outro local fique a critério da FPFS, resguardando-se uma distância mínima de 100 (cem) km, em local já vistoriado pela FPFS. Esta equipe terá a obrigatoriedade de entrar em acordo financeiro com a cidade designada para a partida sobre a divisão de receitas oriundas de cobrança de ingressos e outras comercializações, sendo que haverá nestas situações a presença obrigatória de Representante da FPFS.

CAPÍTULO VIII – DOS CLUBES VISITANTES

Art. 30. São responsabilidades das equipes visitantes:
a) Manter contato com as equipes mandantes do jogo, informando de sua chegada na cidade;
b) Manter a disciplina impecável na cidade visitada e no ginásio do local de jogo;
c) Evitar provocações de toda ordem com torcida adversária.

CAPÍTULO IX – DOS OFICIAIS DE ARBITRAGEM

Art. 31. A FPFS divulgará, dando ciência aos Participantes em até 48 (quarenta e oito) horas do início das partidas somente a cidade de origem dos oficiais de arbitragem, através do seu site oficial http://www.futsalparana.com.br com exceção das partidas das Fases Semi-Finais e Finais.
Art. 32. A Equipe de Arbitragem deverá estar presente no Ginásio com 01H40 (uma hora e quarenta minutos) antes do horário marcado para o jogo, e devidamente uniformizada 30 (trinta) minutos antes do início da partida na quadra de jogo.
Art. 33. A partir da 2ª Fase do Campeonato os árbitros serão neutros e será obrigatória a presença de Representantes em todas as partidas, sendo que na 1.ª Fase essa representação ficará a critério da FPFS, se necessária ou não;
Parágrafo Único - Caso umas das Equipes solicite, unilateralmente, a presença de Representante, será por sua inteira responsabilidade o pagamento das taxas correspondentes à presença do mesmo, na partida.
Art. 34. Nenhum jogo deixará de ser realizado pelo não comparecimento da Equipe de Arbitragem ou de qualquer de seus membros. Compete ao Representante da FPFS, ou na ausência deste, pelos dois clubes litigantes providenciar os substitutos, em comum acordo ou sorteio, elaborando documento escrito desta decisão, que deverá acompanhar a súmula do jogo.
Art. 35. A partida poderá ser interrompida, suspensa ou até mesmo encerrada, pelos motivos abaixo:
a) Falta de garantia individual e coletiva a todos os presentes no Ginásio;
b) Condições inadequadas das instalações, que torne a partida impraticável ou perigosa;
c) Falta de iluminação ou iluminação inadequadas;
d) Conflitos ou distúrbios graves no ginásio;

CAPÍTULO X – DAS MULTAS

Art. 36. Dentro da idéia de que todos os clubes devem estar devidamente identificados com a estrutura organizacional do Futsal Paranaense, o não cumprimento de determinadas obrigações e procedimentos implicará, independentemente das previsões contidas no CBJD, no estabelecimento das seguintes multas administrativas:
a) Desistir ou abandonar o campeonato_____R$ 3.000,00
b) Deixar de comparecer a um jogo R$ 1.500,00
c) Invasão de quadra por torcedor (es) ou diretor (es)_____R$ 1.000,00
d) Colocar atletas sem condições legais R$ 500,00
e) Não conter atos de indisciplina por torcedores tais como, arremessar objetos ou líquido na quadra___R$ 500,00
f) O atleta trocar seu numero de camisa, durante a competição (§ 3.º do Art. 8º) R$ 300,00
g) Não coibir a entrada de instrumentos de percussão, de sopro e buzinas no interior do ginásio R$ 300,00
h) Deixar de coibir o uso de qualquer tipo de sinalizadores por torcedores dentro do Ginásio R$ 300,00
i) Não pagamento da taxa de arbitragem_________________________________________________R$ 300,00
j) Não possuir segundo uniforme completo em caso de coincidência R$ 150,00
k) A equipe não apresentar, na partida, o jogo de coletes previstos no Regulamento R$ 150,00
l) Deixar de apresentar a lista oficial dos Participantes da partida R$ 100,00
m) Não apresentar bolas oficiais em plenas condições de jogo R$ 100,00
n) Entrar atrasado na Quadra (por minuto na tolerância) R$ 20,00
o) Não apresentar Carteira da FPFS de participante constante na relação oficial_ R$ 10,00

§ 1º. – A multa aplicada por troca de numeração da camisa do atleta, será cobrada em dobro no caso de reincidência.
§ 2º. – A aplicação das multas prevista neste artigo é de caráter eminentemente administrativo e independe de eventuais condenações pela Justiça Desportiva, de acordo com o contido no artigo 65 deste Regulamento.
Art. 37. As multas terão que ser recolhidas em CONTA CORRENTE DA FEDERAÇÃO PARANAENSE DE FUTEBOL DE SALÃO, no BANCO ITAÚ Agência 4012 Conta Corrente n.º 14.758-5, em 48 horas depois de notificado, sob pena da PERDA DE CONDIÇÕES PARA OS PRÓXIMOS JOGOS e na reincidência a sua ELIMINAÇÃO.

CAPÍTULO XI – DO TELEVISIONAMENTO

Art. 38. A transmissão direta ao vivo, por Vídeo-Tape (VT) ou Canais Privativos, em qualquer de suas Fases, só poderá ser realizada mediante prévia e expressa autorização da FPFS, e com a concordância da equipe mandante, respeitada a legislação que regula a matéria;
Art. 39. As Emissoras de Televisão, referidas no artigo anterior, após consulta à FPFS, poderão sugerir mudanças nos horários, datas e locais (desde que haja concordância da equipe mandante e sem prejudicar a terceiros), visando sempre beneficiar o crescimento e a divulgação do Futebol de Salão paranaense.

CAPÍTULO XII – DA FÓRMULA DE DISPUTA

Art. 40. O Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chave Ouro 2008, será disputado na forma estabelecida nesse artigo, conforme deliberação das equipes no Arbitral de 15 de março de 2008, na cidade de Cianorte/PR.
§ 1º. Para efeito de classificação, os critérios para desempate entre as equipes serão, exceto nos Play-Off das Fases Quartas de Final, Semifinal e Final, pela ordem, os seguintes:
1.º - Melhor índice Técnico (soma dos pontos ganhos divididos pelo número de partidas realizadas);
2.º - Confronto direto somente quando envolver duas (2) equipes na fase;
3.º - Gol average das equipes empatadas, considerando todos os resultados obtidos na Fase (número de gols marcados divididos pelo número de gols sofridos, ficando classificada a equipe que obtiver maior quociente);
4.º - Menor média de gols sofridos na Fase (número de gols sofridos divididos pelo número de jogos);
5.º - Maior média de gols marcados na Fase (número de gols feitos dividido pelo número de jogos);
6.º - Maior saldo de gols (diferença entre os gols feitos e os gols sofridos);
7.º - Sorteio.
§ 2º. Quando três ou mais equipes terminarem empatadas na soma de pontos ganhos na Fase, observar-se-ão, sucessivamente e na ordem eliminatória os critérios constantes do caput deste artigo, números 3, 4, 5, 6 e 7, apurando-se, por item, as equipes classificadas, sem prejuízo de descartar-se, na aplicação de cada critério, a(s) equipe(s) menos aquinhoada(s).
§ 3º. Na hipótese da aplicação do critério “gol average”, dividir-se-á o número de gols positivos pelos negativos, considerando-se classificada a equipe que obtiver maior quociente e, quando uma equipe não sofrer gol, é ela a classificada, pois o zero é infinito, o que impossibilita a divisão, assegurando à equipe sem gols sofridos a classificação pelo sistema de gol average.
§ 4º. A classificação final das 10 equipes ao término da 1.ª Fase do Campeonato servirá para determinar quais as cinco (5) equipes melhores colocadas que disputarão as cinco (5) partidas em seu Ginásio, na 1.ª Fase da Chave Ouro do ano de 2009.
a) 1ª Fase – Classificatória - as 10 (dez) equipes jogarão entre si em um só Turno. As 05 (cinco) melhores equipes classificadas na 1.ª Fase do Campeonato Paranaense Feminino Adulto de 2007 farão 05 (cinco) partidas em casa e as demais equipes, da 6.ª a 10.ª colocações no Ranking, farão 04 (quatro) partidas em seu Ginásio. Classificam-se para a 2.ª Fase – Eliminatória, as 08 (oito) melhores equipes dessa Fase.
b) 2.ª Fase – Quartas de Final - as 8 (oito) equipes classificadas da 1.ª Fase Classificatória, serão distribuídas em 4 (quatro) Grupos de 2 (duas) equipes cada um, jogando no sistema de Play-Off de 2 (duas) partidas, sendo que a equipe de melhor índice técnico da primeira Fase, terá o direito de realizar a segunda partida em seu Ginásio. Duas vitórias ou vitória e um empate da mesma equipe definirá o direito de disputar as partidas da Fase Semi Final. Em caso de dois empates ou vitórias alternadas ao final do segundo jogo, haverá uma terceira partida para definição da equipe classificada para a fase seguinte. Caso persista o empate após a realização desta terceira partida, será considerada como classificada para as partidas da Fase Semi Final a equipe que tenha obtido melhor colocação na 1.ª Fase, ou seja, a equipe que fez a segunda partida do Play-Off em seu Ginásio. Para essa Fase Quartas de Final, a formação dos 4 (quatro) Grupos do Play-Off, tendo com base a classificação da 1.ª Fase, será a seguinte:
1) Grupo “A” – 1.º colocado x 8.º colocado
2) Grupo “B” – 2.º colocado x 7.º colocado
3) Grupo “C” – 3.º colocado x 6.º colocado
4) Grupo “D” - 4.º colocado x 5.º colocado
As equipes vencedoras dos Play-Off dessa Fase passarão à Fase Semi Final.
c) 3.ª Fase Semi Final - será ainda adotado o sistema de Play-Off eliminatório em (02) duas partidas, sendo que as equipes melhores classificadas na primeira Fase jogarão em seu ginásio a segunda partida do Play-Off. Duas vitórias ou vitória e um empate da mesma equipe definirá o direito de disputar as partidas da Fase Final. Em caso de dois empates ou vitórias alternadas após o segundo jogo, haverá uma terceira partida para definição da equipe classificada para a fase seguinte. Caso persista o empate após a realização desta terceira partida, será considerada como classificada para as partidas da Fase Final a equipe que tenha obtido melhor colocação na 1.ª Fase, ou seja, a equipe que fez a segunda partida do Play-Off em seu Ginásio. Para essa Fase Quartas de Final, a formação dos 2 (dois) Grupos do Play-Off, tendo com base a classificação da 1.ª Fase, será a seguinte:
1) Grupo “E” – Vencedor do Grupo “A” x Vencedor do Grupo “D”
2) Grupo “F” – Vencedor do Grupo “B” x Vencedor do Grupo “C“
Classificam-se para a Fase Final as 2 (duas) equipes vencedoras dessa Fase Semi Final.
d) 4.ª Fase Final - será também disputada em uma melhor de 02 (duas) partidas, pelas equipes vencedoras dos Grupos “E” e “F” da Fase Semi Final, sendo que a equipe de melhor classificação na somatória de pontos e critérios da primeira Fase jogará em seu ginásio o segundo jogo. Duas vitórias ou vitória e um empate da mesma equipe definirá a campeã da Chave Ouro. Entretanto, caso haja dois empates, ou vitórias alternadas ao final do segundo jogo, haverá uma terceira partida para definição da equipe Campeã do Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chave Ouro 2008. Caso o empate ainda persista após a realização desta terceira partida, será considerada como vencedora a equipe que tenha obtido melhor colocação na primeira Fase, ou seja, a equipe que fez a segunda partida do Play-Off em seu Ginásio.
e) Será considerada a Equipe 3.ª Colocada do Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chave Ouro 2008, a que terminar o Campeonato na Classificação Geral de todas as Fases até a Fase Semi Final em 3.º lugar, observando-se os critérios de desempate.
Art. 41. Em todas as Fases do Campeonato, a contagem de pontos ganhos será a seguinte:
a) Por vitória 3 pontos;
b) Por empate com ou sem gols 1 ponto.
Art. 42. Os horários e locais dos jogos serão estipulados pelas equipes sediantes ou mandantes da partida.

CAPÍTULO XIII – DA DISCIPLINA

Art. 43. A equipe “mandante” será responsável pela segurança das autoridades da FPFS (Oficiais de Arbitragem) e dos seus adversários. Atitudes tomadas por torcedores e não contidas pelos Clubes “mandantes” ou “mandados”; indisciplina por parte de atletas, tentativas de agressões, agressões à adversários, oficiais de arbitragem ou a torcedores, terão as seguintes penas administrativas a critério da Diretoria da FPFS, independente das sanções aplicadas pelo Tribunal de Justiça Desportiva:
a) Perda de mando, de um ou dois jogos, dependendo da gravidade, com a Equipe jogando a 100 km, no mínimo, distante de sua cidade, em local vistoriado pela FPFS e onde haja Equipes filiadas;
b) Advertência, censura, multa;
c) Jogo com portões fechados;
d) Suspensão do jogo;
e) Rebaixamento da Equipe para outra divisão;
f) Suspensão da Equipe por 2 (dois) anos da competição;
g) Eliminação do Clube e imediata desfiliação;
h) No caso de profissional (Médico, Preparador Físico, Técnico, Atendente, Fisioterapeuta ou Massagista), aplicação de multa administrativa de R$ 1.000,00 (hum mil reais) paga pelo Clube;
i) No caso de tumultos de torcida ou dirigentes, aplicação de multa administrativa de R$ 1.000,00 (mil reais) ao Clube.
Art. 44. A atleta, no recinto do jogo, ser expulsa pela Arbitragem por:
a) Ofensas ou molestações morais a Arbitragem, terá seu Clube multado administrativamente em R$ 1.000,00 (mil reais) e na reincidência a multa será de R$ 2.000,00 (dois mil reais);
b) Atos de violência contra a equipe de arbitragem, jogadoras ou espectador(es), o Clube do atleta infrator será multado em R$ 2.000,00 dois mil reais) e na reincidência o dobro;
c) Atos de violência física grave contra a equipe de arbitragem, Representante, jogadoras ou espectador(es), o Clube será multado administrativamente em R$ 3.000,00 (três mil reais) ou eliminado da competição.
Art. 45. Os Dirigentes, devidamente identificados pela Equipe de Arbitragem, que causarem:
a) Ofensas ou molestações morais ao Árbitro, terá seu Clube multado administrativamente em R$ 1.000,00 (mil reais) e na reincidência multa de R$ 2.000,00 (dois mil reais).
b) Atos de violência contra a equipe de arbitragem, jogadoras ou espectador(es), o Clube será multado administrativamente em R$ 2.000,00 (dois mil reais) e na reincidência o dobro;
c) Atos de violência física grave contra a equipe de arbitragem, Representante, jogadoras ou espectador (es), o clube será multado administrativamente em R$ 3.000,00 (três mil reais) ou eliminado da competição.
Art. 46. No caso de um incidente grave no desenrolar de uma competição oficial ou não, a FPFS, por escrito, juntando cópias ou originais dos relatórios e súmulas do jogo poderá solicitar ao Tribunal de Justiça Desportiva aplicação da suspensão preventiva na forma do Art. 35 do CBJD, preventiva essa de até 15 (quinze) dias, renováveis.
Art. 47. As punições administrativas quando não modificadas pelo Tribunal, serão descontadas do apenamento definitivo determinado pelo órgão judicante.

CAPÍTULO XIV – DA SUSPENSÃO AUTOMÁTICA

Art. 48. Sujeitar-se-á ao cumprimento da suspensão automática, com a conseqüente impossibilidade de participar da partida seguinte, a atleta, que na mesma competição receber:
a) Um (1) cartão de cor vermelha (expulsão); e
b) Três (3) cartões de cor amarela (advertência).
Art. 49. Sujeitar-se-á ao cumprimento da suspensão automática, com a conseqüente impossibilidade de participar da partida seguinte, o Técnico, o Médico ou Fisioterapeuta, o Preparador Físico, o Atendente ou Massagista que for considerado expulso pelo árbitro:
Parágrafo único - A aplicação da suspensão automática independe de julgamento no âmbito da Justiça Desportiva.
Art. 50. A contagem de cartões vermelhos e amarelos é feita dentro da mesma competição, seja ela dividida em Fases ou não, daí porque, os cartões recebidos nas diversas Fases são agregados àqueles que, porventura, vierem a ser aplicado na Fase Final, para fins de suspensão automática.
Art. 51. A quantificação de cartões recebidos independe de comunicação da FPFS, sendo de responsabilidade exclusiva das Equipes disputantes da competição o seu controle e cumprimento.
Art. 52. A contagem de cartões, para fins de aplicação da suspensão automática, é feita separadamente e por tipologia de cartões, não havendo possibilidade de cartão vermelho anular amarelo já recebido, na mesma ou em outra partida do Campeonato.
Parágrafo Único - Se a mesma atleta, em determinado momento do Campeonato, acumular simultaneamente 3 (três) cartões amarelos mais 1 (um) cartão vermelho, cumprirá, automaticamente, a suspensão por 2 (duas) partidas.
Art. 53. O Médico ou Fisioterapeuta, o Preparador Físico, o Atendente, o Técnico ou ainda a atleta que tenha sido expulso da partida ou que esteja cumprindo penalidade disciplinar de suspensão, quando presente no local dos jogos, deverão se posicionar, obrigatoriamente, no lado oposto do local onde se encontra o banco de reservas de sua Equipe na quadra de jogo;
Parágrafo Único - Sendo inacessível para o público o lado oposto da quadra de jogo, deverão os mesmos se posicionar no lado onde se encontra o banco de reservas da equipe adversária, a uma distância mínima de 1,5 m (um metro e meio) do final da quadra de jogo, para trás do banco de reservas, de acordo com a Regra Oficial.

CAPÍTULO XV – DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS

Art. 54. Em todos os jogos do Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chaves Ouro de 2008, serão adotados obrigatoriamente os Regulamentos, as Leis e Regras Oficiais do Futsal em vigor no país.
Art. 55. A FPFS poderá, no interesse maior do Futsal, transferir, mudar de locais, suspender, desdobrar ou aumentar rodadas ou jogos já marcados, sempre que julgar isto extremamente necessário e indispensável.
Art. 56. A organização das Tabelas de Jogos e distribuição das equipes nos Grupos caberá, exclusivamente a FPFS.
Art. 57. As equipes representativas de São Miguel do Iguaçu e Londrina realizarão suas partidas nas sextas feiras quando o mando de jogo for seu, obedecendo todavia, os adversários que puderem realizar jogos neste dia de semana.
Parágrafo único – Foram votos contrários à esta solicitação, no Arbitral, as equipes de Foz do Iguaçu, Curitiba, Cianorte e Arapongas.
Art. 58. Ficou deliberado no Arbitral de 15 de março de 2008, que para o ano de 2009 será criada a Segunda Divisão do Paranaense Feminino Adulto no Estado, a qual terá a denominação de Taça Paraná, competição esta que acontecerá no primeiro trimestre de cada ano.
Parágrafo único – Esta Taça Paraná servirá de base para classificar ao seu final as duas melhores equipes para o Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chave Ouro do mesmo ano. E as duas últimas equipes classificadas no Campeonato Paranaense Feminino Adulto Chave Ouro de 2008 serão rebaixadas para esta Segunda Divisão – Taça Paraná do ano seguinte.
Art. 59. A equipe que se tornar Campeã da Chave Ouro 2008, ficará isenta do pagamento da Taxa de Inscrição para a Chave Ouro de 2009, como prêmio pela conquista obtida.
Art. 60. A FPFS sugere aos Clubes que levem a seus jogos relação dos atletas, apelidos dos mesmos, posições, números das camisas e um pequeno histórico do Clube e da sua cidade, para entregar aos meios de comunicação que solicitarem.
Art. 61. Foi criada uma Comissão de Clubes com a participação das equipes de Maringá, São Miguel do Iguaçu, Pato Branco e Ponta Grossa, para trabalharem no sentido de obter patrocínios de empresas ou estabelecimentos, para o engrandecimento do próprio Campeonato e fortalecimento ainda maior das equipes.
Art. 62. Como a FPFS responde pelos atos de seus dirigentes, também as Presidências dos Clubes e/ou Equipes disputantes serão responsáveis pelos seus comandados.
Art. 63. Toda e qualquer sugestão, pedidos ou reclamações com fundamentos, deverá ser encaminhado oficialmente à Entidade, com a antecedência prevista neste Regulamento.
Art. 64. A Federação Paranaense de Futsal reserva-se o direito de solicitar exame antidoping em qualquer partida.
Art. 65. Todas as sanções, punições e multas constantes do presente Regulamento são eminentemente de caráter administrativo, visando a organização da competição, a disciplina e a moral desportiva e não se confundem com as sanções e punições aplicadas pela Justiça Desportiva.
Art. 66. De acordo com a Lei Estadual n.º 15.570/07, os Clubes serão obrigados a disporem em seus Ginásio de um sistema de som, para a execução do Hino Nacional e do Paraná, antes do início de cada partida. A execução poderá ser também ao vivo com a presença de uma Banda.
Art. 67. A partir deste ano de 2008, será obrigatória a entrada das equipes em quadra de jogo, de acordo com o Protocolo Internacional, já utilizado nos jogos de Futsal da Liga Nacional, postando-se todos os atletas e equipe de arbitragem no centro da quadra, em linha, para a execução dos Hinos e apresentação nominal dos atletas e equipe de arbitragem.
Parágrafo único – A FPFS enviará às equipes disputantes deste Campeonato,através de Circular,os procedimentos que devem ser adotados por ocasião da realização deste cerimonial do Protocolo Internacional para jogos oficiais.
Art. 68. A equipe ou pessoa física que for absolvida ou que tiver a pena diminuída sobre os mesmos fatos, em decisão proferida pelo Tribunal de Justiça ou suas Comissões, poderá, dentro de 03 (três) dias, se assim desejar, protocolizar petição na Secretaria da Federação, solicitando a adequação da pena imposta em caráter administrativo à decisão tomada pela Justiça Desportiva.
Parágrafo Único – A Diretoria da Federação Paranaense de Futebol de Salão, não está obrigada a deferir o pedido, o qual será analisado à vista das circunstâncias e dos desdobramentos que o ato praticado produziu, salvo se a equipe ou pessoa física for absolvida, ou se os fatos e a sanção forem especificamente reproduzidos no CBJD.
Art. 69. O PRESENTE REGULAMENTO FOI APROVADO SEM RESSALVAS POR UNANIMIDADE DE VOTOS, E REFLETE A VONTADE EXPRESSA DE TODOS OS CLUBES e/ou EQUIPES ENVOLVIDOS NA COMPETIÇÃO E A ELE, IGUALMENTE, TODOS SE SUBORDINAM ADMINISTRATIVAMENTE.
Art. 70. Os casos omissos ao presente Regulamento serão apreciados e decididos pela Diretoria da FPFS.
Art. 71. Este Regulamento entra em vigor na data de sua publicação na Internet, na página da FPFS, no endereço eletrônico http://www.futsalparana.com.br


CURITIBA, 24 DE MARÇO DE 2008

D I A S L O P E S
Presidente da FPFS
Nenhum time com pontos ganhos
  Ver classificação geral
Nenhum resultado cadastrado
Nenhum jogo cadastrado
© FutsalPR 2005 - Todos os Direitos Reservados - | Desenvolvimento: CEICOM - Soluções em Internet